Posts

Controle de jornada do motorista: tudo o que você precisa saber!

O controle de jornada do motorista é uma das principais responsabilidades do gestor de frotas. 

Entretanto, para gerenciar da melhor forma possível e cumprir a lei, é preciso adotar estratégias e ferramentas para monitorar a jornada.

Por muito tempo, esse gerenciamento das atividades dos condutores foi realizado por meio de controles manuais, como diários e fichas. 

No entanto, com o acesso cada vez mais amplo aos recursos tecnológicos, o uso desses controles vem sendo substituído por soluções mais tecnológicas.

Por isso, vamos falar da importância do controle de jornada do motorista e dar dicas para melhorá-lo com a ajuda da tecnologia. Acompanhe!

Qual a importância do controle de jornada do motorista?

É nesse controle que se concentram todos os custos e receitas da operação logística, como a quantidade de combustível usado e receita gerada em uma viagem. 

Dessa forma, o controle de jornada de motorista garante a eficiência da operação e também o bem-estar do condutor, para que ele possa estar em plena condição para exercer suas atividades.

Além disso, é de extrema importância para que o empregador esteja agindo dentro da Lei 13.103/15  que regulamenta as condições de transporte. 

Veja a seguir mais detalhes sobre a importância do controle de jornada de motoristas.

Atuar conforme a lei

Como mencionamos, existe uma lei que regulamenta as relações entre condutores e empregadores.  

Por isso, é importante conhecer todo o teor da legislação, compreender suas últimas alterações e estudar como elas afetam o funcionamento da empresa.

Essa iniciativa é de fundamental importância para preservar os direitos e obrigações nas relações de trabalho. 

Assim, é melhor estar informado e seguir as normativas, do que ter de amargar prejuízos com multas e indenizações posteriormente.

Mensuração das horas extras

Como acontece em outras profissões, o motorista também tem direito à remuneração das horas extraordinárias. 

Conforme a legislação, a jornada de trabalho tem duração de até 8 horas diárias, sendo possível acrescentar até 2 horas extras por dia. 

Logo, ter o controle de jornada do motorista utilizando um registro é fundamental para o acompanhamento e comprovação das horas trabalhadas.

Avaliação de desempenho

Com o mercado cada vez mais competitivo, e considerando que o foco atual do mercado é em performance, avaliar o desempenho dos motoristas é fundamental para o crescimento do negócio.

Geralmente, essa equação é medida pela relação do tempo total que o condutor emprega para transportar a carga em segurança. 

Dessa forma, o controle da jornada de trabalho do motorista também serve para monitorar o desempenho deles ao longo do tempo.

Quais os direitos dos motoristas?

A lei do motorista estabelece regras, direitos e deveres específicos para o exercício da profissão. 

Isso inclui limites para a jornada diária de trabalho, intervalos para refeições e repouso, e o tempo máximo de espera durante as operações de carga e descarga. 

Por isso, conhecer esses direitos é fundamental para garantir a segurança e o bem-estar dos motoristas, bem como a conformidade legal das operações de transporte.

Entre os principais direitos dos motoristas, destacam-se:

1. Jornada de trabalho de até 8 horas diárias, com possibilidade de até 2 horas extras mediante acordo coletivo;

2. Intervalo obrigatório de 30 minutos a cada 6 horas de direção em transporte de carga, e a cada 4 horas em transporte de passageiros.

3. Repouso diário de no mínimo 11 horas, sem possibilidade de fracionamento.

4. Consideração do tempo de espera durante operações de carga e descarga como hora de trabalho normal.

5. Registro confiável e autêntico da jornada de trabalho, preferencialmente por meio de sistemas eletrônicos de controle.

Além disso, a lei exige a realização periódica de exames toxicológicos, a confidencialidade dos resultados e estabelece penalidades para o descumprimento das normas.

Portanto, compreender e respeitar os direitos dos motoristas é essencial para promover um ambiente de trabalho seguro e saudável, além de garantir a conformidade legal das operações de transporte.

7 maneiras do gestor otimizar o controle de motoristas

Veja a seguir as principais formas para você fazer um controle de jornada do motorista de forma eficiente:

Usar diários de bordo

O diário de bordo é uma maneira de o motorista fazer as anotações de todas as suas atividades ao longo do percurso. 

Isso inclui situações adversas, horários de parada e também horas trabalhadas. 

Apesar de ser um recurso antigo, o diário de bordo ainda pode se usado para comprovar a jornada de trabalho, exercendo assim, a função de controle de ponto.

Controlar o ponto manualmente

O controle de ponto manual é uma forma de registrar o horário de início da viagem e os horários de descanso, até o término do deslocamento. 

Dessa forma, os dados são entregues ao empregador para ele calcular o pagamento ou comparar com o registro eletrônico.

Usar um sistema de monitoramento eletrônico

A tecnologia é capaz de resolver importantes questões envolvendo o controle de ponto de motoristas, pois elimina erros e divergências na marcação. 

Isso é possível com um sistema de monitoramento eletrônico.

O software pode ser ligado ao sistema do caminhão ou registrado manualmente. 

Para isso, basta que o motorista registre a entrada ou saída de um ponto de descanso. 

Além disso, esses sistemas são confiáveis e aceitos pelo MTE para comprovar a jornada, sendo um investimento que pode trazer mais segurança para a empresa e para o funcionário.

Estabelecer metas e indicadores de desempenho

Definir metas claras e indicadores de desempenho pode ajudar a manter os motoristas responsáveis por seu desempenho. 

Isso inclui métricas como tempo de entrega, eficiência de combustível, segurança na direção e pontualidade, que podem ser acompanhadas e avaliadas regularmente.

Fornecer treinamento e feedback constante

Investir em treinamento contínuo e fornecer feedback regular aos motoristas pode ajudá-los a melhorar seu desempenho e aderir às políticas e procedimentos da empresa. 

Isso pode incluir treinamento em segurança na direção, economia de combustível e uso adequado dos sistemas de monitoramento.

Automatizar processos administrativos

A automação de processos administrativos é outra prática que melhora o controle de jornada do motorista. 

Isso porque a automatização garante o acesso facilitado ao registro de horas trabalhadas, tempos de descanso e relatórios de desempenho. 

Dessa forma, é possível reduzir a carga de trabalho do gestor de frotas e garantir uma gestão mais eficiente e precisa dos motoristas.

Terceirizar a frota

A terceirização de frotas é uma opção viável para muitas empresas. 

É que essa prática permite que o gestor de frotas concentre-se mais no controle e supervisão dos motoristas, em vez de lidar com a gestão operacional dos veículos. 

Isso libera tempo e recursos para que o gestor possa focar em estratégias de melhoria do desempenho dos motoristas e otimização das operações da frota.

Conte com a Sofit para o controle de jornada do motorista!

Em resumo, garantir o controle adequado da jornada do motorista é essencial para a segurança e eficiência das operações com frotas. 

Ao terceirizar a gestão da frota, os gestores podem dedicar mais tempo ao controle dos motoristas. 

Isso significa que eles têm tempo para implementar melhores sistemas de controle de jornada.

Para os clientes corporativos da Localiza, a Sofit é uma ferramenta super útil!

Ela oferece recursos como acompanhamento em tempo real, registro de horas trabalhadas e identificação de rotas. 

Com a Sofit, é possível garantir que os motoristas cumpram as regulamentações de trabalho e que as operações das frotas sejam mais seguras e eficientes. 

Quer saber mais sobre como a Sofit pode ajudar? Entre em contato conosco hoje mesmo!

Como fazer o planejamento de rotas para sua frota?

Já parou para pensar como um bom planejamento de rotas pode transformar a eficiência e os resultados do seu negócio de entregas ou transporte logístico? 

Se sim, você está no lugar certo! 

Caso contrário, este é o momento perfeito para descobrir como essa prática pode reduzir custos, aumentar a capacidade de entrega e elevar a satisfação dos seus clientes.

Neste artigo, vamos explorar a importância do planejamento de rotas e apresentar seis dicas essenciais para otimizar esse processo. 

Desde o mapeamento da operação até o uso de tecnologias inovadoras, vamos mostrar como rotas bem planejadas auxiliam a alcançar resultados extraordinários. 

Continue lendo e saiba mais!

O que é o planejamento de rotas?

O planejamento de rotas é um processo estratégico que visa otimizar as operações de transporte e logística de uma empresa. 

Ele envolve a definição das rotas mais eficientes e econômicas para o deslocamento dos veículos, considerando diversos fatores, como:

  • Distâncias a percorrer;
  • Tempo de viagem;
  • Condições das estradas;
  • Demanda de clientes e;
  • Restrições operacionais.

Dessa forma, o planejamento de rotas é essencial para maximizar a utilização dos veículos, reduzir custos operacionais, minimizar o consumo de combustível e aumentar a produtividade da equipe. 

Benefícios de um planejamento de rotas? 

Um bom planejamento de rotas contribui para melhorar a qualidade dos serviços prestados de uma forma geral, o que o torna indispensável na gestão de frotas.

Além disso, ele garante que as entregas sejam mais rápidas e pontuais, o que resulta em maior satisfação dos clientes.

Ao investir em um planejamento de rotas eficiente, o gestor pode transformar a logística da empresa, tornando-a mais ágil, eficiente e competitiva no mercado.

A seguir, confira os principais benefícios de um bom planejamento de rotas:

Redução de custos

Um planejamento de rotas eficiente permite a otimização do uso de combustível e a minimização do desgaste dos veículos, resultando em uma redução significativa nos custos operacionais da frota.

Aumento da produtividade

Rotas bem planejadas ajudam a evitar atrasos e desperdícios de tempo, permitindo que os motoristas realizem mais entregas em menos tempo, aumentando assim a produtividade da equipe.

Maior pontualidade nas entregas

Com rotas pré-determinadas e otimizadas, é possível garantir que as entregas sejam feitas dentro do prazo estipulado, proporcionando uma experiência positiva aos clientes e fortalecendo a reputação da empresa.

Redução de emissões de carbono

Ao minimizar as distâncias percorridas e otimizar o uso dos veículos, o planejamento de rotas contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa e para a promoção da sustentabilidade ambiental.

Melhoria na gestão de recursos

Um planejamento de rotas eficaz permite uma melhor alocação de recursos, como veículos e motoristas, garantindo que cada recurso seja utilizado de forma eficiente e maximizando o retorno sobre o investimento.

6 dicas para um bom planejamento de rotas

Agora que você já entende a importância e os benefícios do planejamento de rotas para a sua frota, vamos entender como colocar o plano em prática?

A seguir, reunimos as principais recomendações de profissionais do setor sobre como fazer um bom planejamento de rotas. Confira!

Claro, aqui estão seis recomendações para fazer um bom planejamento de rotas:

1. Analise e mapeie as demandas

Antes de planejar as rotas, é essencial entender as demandas dos clientes. 

Isso inclui identificar os locais de entrega, os horários preferenciais de recebimento e quaisquer requisitos especiais, como a necessidade de agendamento prévio. 

Ao mapear essas demandas, você pode criar rotas mais eficientes e adaptadas às necessidades específicas de cada cliente, garantindo uma melhor experiência de serviço.

2. Utilize tecnologias de roteirização

Investir em sistemas de roteirização e otimização de rotas pode fazer uma grande diferença na eficiência do planejamento. 

Essas tecnologias utilizam algoritmos avançados para calcular as melhores rotas com base em uma variedade de fatores, como distância, tráfego, restrições de veículos e horários de entrega.

Isso permite que você crie rotas mais eficientes e econômicas, economizando tempo e dinheiro.

3. Considere restrições operacionais

Ao planejar as rotas, é importante levar em consideração as restrições operacionais específicas da sua frota.

Isso pode incluir limitações de peso, tamanho e capacidade dos veículos, bem como regulamentações de tráfego e restrições de acesso a certas áreas. 

Quando você considera essas restrições desde o início, pode evitar problemas no planejamento das rotas e garantir uma operação suave e eficiente.

4. Priorizar eficiência e economia

Uma das principais metas do planejamento de rotas é maximizar a eficiência e economia. 

Isso significa criar rotas que minimizem a distância total percorrida e otimizem o uso de combustível. 

Dessa forma, ao priorizar a eficiência e economia, você pode reduzir significativamente os custos operacionais da frota. 

Além disso, também aumenta a produtividade e a rentabilidade do negócio.

5. Monitorar e atualizar rotas regularmente

O planejamento de rotas não é um processo estático, e é importante monitorar e atualizar as rotas regularmente. 

Isso inclui acompanhar as condições de tráfego em tempo real, responder a mudanças na demanda dos clientes e fazer ajustes conforme necessário. 

Ao manter um acompanhamento constante das rotas e fazer atualizações regulares, você pode garantir que sua frota esteja sempre operando de forma eficiente e eficaz.

6. Invista em capacitação e comunicação com os motoristas

Por fim, é fundamental capacitar e comunicar-se de forma eficaz com os motoristas sobre as rotas estabelecidas.

Isso ajuda na adesão às instruções e fornece um canal aberto de comunicação para feedback e sugestões, que pode fazer diferença na execução do planejamento de rotas. 

Além disso, motoristas bem treinados e informados são essenciais para garantir que as rotas sejam seguidas corretamente e que quaisquer problemas ou desafios sejam abordados de forma rápida e eficiente.

Conte com a ajuda da Sofit!

Em suma, um planejamento de rotas eficiente é crucial para o sucesso de qualquer operação logística. 

Ao considerar as demandas dos clientes, utilizar tecnologias e atualizar rotas regularmente, é possível otimizar a eficiência, reduzir custos e melhorar a satisfação do cliente. 

A boa notícia é que empresas que alugam veículos com a Localiza agora contam com a Sofit, e acessam soluções personalizadas de roteirização e otimização de rotas para atender às necessidades específicas de suas empresas. 

Portanto, entre em contato conosco hoje mesmo e descubra como podemos ajudar a otimizar o seu planejamento de rotas e impulsionar o seu negócio para o próximo nível!

Como preparar sua frota para a Black Friday 2023?

A Black Friday é uma data que sempre promete movimentar os segmentos de logística e transporte. Em 2023 não será diferente, com um crescimento estimado de 12% no faturamento em relação ao evento de 2022 – segundo dados da Neotrust.

Entretanto, sem processos logísticos bem definidos, a sua frota pode não atender à demanda – o que significa menos lucro.

Portanto, vamos abordar todos os impactos da Black Friday para o setor logístico, com dados do último ano, estimativas e mostrar como preparar a sua frota para essa data importante para o comércio.

Continue lendo para saber mais!

Índice:

  1. Qual a importância de uma boa logística para a Black Friday?
  2. Como a Black Friday impactou a logística no último ano?
  3. O que esperar da Black Friday de 2023 no setor logístico?
  4. Como preparar sua frota para a Black Friday de 2023?
  5. A Sofit é a parceira da sua frota nesta Black Friday!

Qual a importância de uma boa logística para a Black Friday?

A logística é definitivamente o que realmente torna tudo possível no período da Black Friday, quando a demanda por produtos aumenta. 

Apesar da digitalização, a pressão ainda recai sobre as empresas de entrega.

Dessa forma, é comum que os profissionais envolvidos nos setores de supply chain e logística e também especialistas em frotas gastem um tempo considerável analisando dados, pensando em agilizar os processos e se preparando para esse momento.

Isso porque, apesar de ser um período bom para aumentar a receita da sua empresa, a Black Friday pode se tornar um desafio para sua logística se você não planejar com antecedência. 

Sua cadeia de suprimentos pode desacelerar quando houver atrasos nos centros de abastecimento. 

Da mesma forma, com o alto volume, é possível que haja danos à carga.

Além disso, a demanda por produtos com pouca saída pode aumentar inesperadamente quando estão com desconto. 

Portanto, comece já a se preparar para estes dias e certifique-se de que está tudo em ordem.

Como a Black Friday impactou a logística no último ano?

A Black Friday, um dos eventos mais aguardados do comércio, desempenhou um papel significativo na logística em 2022. 

Durante o período de 24 a 27 de novembro, as vendas totalizaram cerca de R$ 6,1 bilhões. 

Embora esse número seja impressionante, ele representou uma queda de 23% em comparação ao ano anterior, como indicado em um relatório do grupo Locaweb.

Tradicionalmente realizada na última sexta-feira de novembro, a Black Friday de 2023 está agendada para o dia 24. 

O otimismo cerca este novo ano, uma vez que a temporada de 2022 registrou resultados abaixo do esperado. 

Conforme apontado em uma pesquisa da empresa MField, espera-se um crescimento de 32,2% em relação ao ano anterior.

Com a lição aprendida e uma nova perspectiva, espera-se que a logística se ajuste para atender às expectativas em constante evolução dos consumidores.

O que esperar da Black Friday de 2023 no setor logístico?

À medida que o comércio eletrônico continua a crescer exponencialmente, a Black Friday se consolida como um dos eventos mais esperados do ano. 

Em 2022, mais de 8 milhões de pessoas no Brasil aproveitaram as ofertas, gerando um faturamento astronômico de mais de R$ 6 bilhões, de acordo com dados da Neotrust

E as projeções para 2023 são ainda mais impressionantes, com sete em cada dez brasileiros planejando fazer compras, conforme pesquisa encomendada pelo Google ao Instituto Ipsos.

A busca por comodidade e agilidade na entrega está em ascensão, com 73% dos consumidores considerando a entrega no mesmo dia relevante, conforme apontado em um relatório da Capterra. 

Além disso, cerca de 49% classificaram a rapidez na entrega como o fator mais importante, superando até mesmo considerações de preço.

À luz desses números, é imperativo que as empresas se preparem de maneira abrangente para a Black Friday de 2023, em especial aprimorando suas estratégias de transporte e logística.

Como preparar sua frota para a Black Friday de 2023?

Então, como se preparar para atender toda essa demanda de pedidos e aproveitar a Black Friday para aumentar a receita da sua empresa?

Reunimos algumas dicas a seguir. É importante se preparar agora mesmo, então confira:

1. Esteja ciente de sua capacidade operacional

Conhecer sua capacidade operacional, ou seja, ter clareza sobre o volume de pedidos que você pode atender nesse curto período é fundamental. 

Para isso, existem várias métricas ou KIPs que podem ajudar no processo: 

  • Histórico de pedidos;
  • Quanto tempo você leva para preparar um pedido; 
  • Lead Time e o que você pode fazer para economizar tempo.

Com essas respostas, ao menos você pode ter uma visão clara de quanta demanda pode suportar com o aumento da demanda.

Além disso, entender a sua capacidade operacional por meio de dados facilita na hora de tomar decisões relacionadas ao aumento da frota para o período.

2. Avalie a contratação de funcionários

A Black Friday é também um bom momento para se perguntar sobre a necessidade de trazer novos colaboradores para o seu time e ter em conta a fase de formação que o novo pessoal necessita.

Assim, se você souber com antecedência quanto de pessoal vai precisar, terá mais margem para se preparar em momentos-chave. 

SAIBA MAIS: Seguro de carga: tudo o que você precisa saber para contratar

Para isso, é fundamental prever a demanda que você terá, algo que com a tecnologia e relatórios com históricos de pedidos está se tornando cada vez mais acessível.

3. Use a tecnologia para automatizar processos

A gestão de frotas é muito importante para a obtenção de históricos relativos às Black Fridays anteriores. 

Quando você antecipa e planeja os processos através de ferramentas tecnológicas, está garantindo que a capacidade de transporte não falhe nos piores momentos.

Com a tecnologia adequada, operadores, condutores e clientes finais têm uma experiência mais satisfatória, podendo evitar erros, atrasos e acompanhar pedidos com facilidade.

Além disso, você pode aproveitar esta tecnologia para avaliar a produtividade de sua equipe e encontrar oportunidades de melhoria.

4. Considere as solicitações de última hora

Ter alternativas de transporte pode ser fundamental quando surgem solicitações de atendimento de última hora. 

Isso ajuda os fabricantes a evitar estornos de carga atrasados, como também os varejistas a evitar a perda de clientes e oportunidades de vendas. 

Para isso, além de um ótimo planejamento de rotas e acompanhamento dos processos em tempo real, considere contar com opções alternativas, como frotas terceirizadas para o período. 

5. Faça parceria com transportadoras terceirizadas

Em um mercado repleto de opções, é fundamental adotar critérios rigorosos ao contratar transportadoras terceirizadas para atender à demanda. 

Por isso, garanta que essas empresas sejam confiáveis e capazes de cumprir os acordos de nível de serviço. 

Além de avaliar as despesas fixas e variáveis envolvidas, considere também os seguintes fatores:

  • Capacidade da Frota: Verifique se a transportadora pode lidar com o alto volume de produtos durante a Black Friday.
  • Área de atuação: Certifique-se de que a transportadora atua nas regiões relevantes para suas operações.
  • Tecnologias Avançadas: Confirme se a transportadora usa tecnologias de rastreamento e segurança em tempo real para monitorar as entregas.

Lembre-se que essas parcerias estratégicas são essenciais para preparar a sua frota para a Black Friday 2023.

6. Aprimore a previsão de demanda

A Black Friday é notória por sua imprevisibilidade. No entanto, como gerente de frotas, você deve aprimorar suas capacidades de previsão de demanda. 

Portanto, é fundamental usar dados históricos e tendências de vendas anteriores para estimar o que esperar. 

Se, por exemplo, no ano anterior houve um aumento expressivo nas vendas de eletrônicos, esteja preparado para atender a essa demanda neste ano. 

Então, recorra a ferramentas de análise de dados e inteligência artificial para ajudar na previsão de padrões de compra, ajustando seu planejamento de frota e gestão de estoque de acordo.

7. Gerencie com eficiência os processos de trocas e devoluções

A Black Friday envolve não apenas vendas, mas também um aumento nas devoluções e trocas de produtos. 

Como gerente de frotas, você deve estar preparado para lidar com essa parcela do desafio logístico. 

Por isso, certifique-se de que seus processos de devolução sejam claros e eficientes, incluindo a logística reversa para lidar com produtos devolvidos. 

Além disso, mantenha canais de comunicação claros com seus motoristas e equipe de suporte para lidar com essa parte importante da operação de maneira profissional.

A Sofit é a parceira da sua frota nesta Black Friday!

Com um impacto considerável na segurança, na demanda de veículos e de pessoal, lidar com os negócios da Black Friday pode se tornar estressante e desafiador.

Entretanto, a data também representa uma grande oportunidade se você conseguir se preparar a tempo. 

É também um dos períodos de alta rotatividade mais previsíveis do ano, portanto, certifique-se de contar com todos os recursos necessários para atender a demanda e facilitar o trabalho do seu time.

Logo, implemente uma ferramenta de gestão que permita que sua equipe mantenha uma comunicação constante com sua frota ou fornecedores e clientes de entrega.

Conte com a Sofit para preparar a sua frota para a Black Friday!

Gestão de frete: a chave para otimizar a logística

A gestão de frete desempenha um papel essencial na eficiência logística das empresas, influenciando diretamente os custos e a satisfação do cliente. 

Em um cenário de alta concorrência, como o do e-commerce, otimizar a entrega de produtos é uma estratégia-chave para se destacar no mercado. 

A capacidade de oferecer prazos de entrega reduzidos a custos acessíveis é um fator decisivo para a satisfação do cliente e a competitividade do negócio. 

Neste artigo, exploraremos a gestão de frete em profundidade. Vamos abordar desde seus conceitos fundamentais até a aplicação prática, fornecendo dicas valiosas para que você possa conquistar sua parcela no mercado. 

Acompanhe para saber mais!

Índice:

  1. O que é a gestão de frete?
  2. Como a gestão de frete impacta na logística?
  3. Quais as etapas da gestão de frete?
  4. Quais os erros comuns cometidos na gestão de frete?
  5. 5 dicas para otimizar a gestão de frete na sua empresa 
  6. Otimize a gestão de frete com a Sofit!

O que é a gestão de frete?

Gestão de frete é o processo que cuida de todas as etapas da entrega de produtos aos clientes. 

Assim, seu principal objetivo é otimizar essa operação, tornando-a mais eficiente em termos de tempo e qualidade.

De forma semelhante, a gestão de frete busca manter custos acessíveis, ao mesmo tempo em que garante a satisfação dos clientes.

Isso é feito por meio do uso de tecnologias, como a inteligência artificial, que analisa dados de várias transportadoras para selecionar a opção de entrega mais adequada, tudo para garantir a satisfação dos clientes.

Como a gestão de frete impacta na logística?

No contexto da logística, a gestão de frete desempenha um papel fundamental, melhorando a produtividade da sua frota

Essa estratégia visa aperfeiçoar todos os aspectos relacionados ao armazenamento, distribuição e entrega de produtos, com o objetivo primordial de garantir a satisfação do cliente. 

Isso inclui a implementação de práticas destinadas a minimizar atrasos nas entregas e reduzir os custos de frete. Dessa forma, quando a gestão de frete é eficazmente integrada à logística de uma empresa, ela pode alcançar níveis excepcionais de eficiência nas operações de entrega. 

Além disso, essas práticas têm um impacto positivo no resultado. Elas são essenciais para manter a credibilidade da empresa e para construir relacionamentos sólidos com os consumidores, sendo crucial para o sucesso do negócio.

Quais as etapas da gestão de frete?

A gestão de frete é um processo que envolve várias etapas para garantir a eficiência e o sucesso das operações logísticas. 

Aqui estão as principais etapas de uma gestão de frete eficiente:

  1. Pesquisa e Seleção de Transportadoras. Comece identificando e selecionando as transportadoras que atendam às necessidades da sua empresa. Isso inclui avaliar fatores como custo, confiabilidade e histórico de desempenho.
  2. Negociação de Contratos. Em seguida, negocie contratos transparentes e vantajosos com as transportadoras escolhidas. Estabeleça acordos claros sobre tarifas, prazos de pagamento e outros detalhes importantes.
  3. Implementação de Tecnologia. Além disso, utilize sistemas de gestão de transporte (TMS) para automatizar processos e obter visibilidade em tempo real das remessas. Isso ajuda a otimizar rotas, reduzir custos e melhorar o rastreamento.
  4. Planejamento e Previsão. Faça um planejamento detalhado das suas necessidades de transporte, com base nas vendas anteriores e nas projeções futuras. Isso ajuda a evitar atrasos e custos elevados.
  5. Monitoramento e Rastreamento. Mantenha um controle constante das suas remessas por meio do rastreamento em tempo real. Isso permite que você identifique problemas e tome medidas corretivas rapidamente.
  6. Avaliação Contínua. Avalie regularmente o desempenho das transportadoras e os resultados da sua estratégia de frete. Use esses dados para fazer ajustes e melhorias constantes.
  7. Conformidade Legal.: Mantenha-se atualizado sobre regulamentações e requisitos legais relacionados ao transporte de mercadorias. Certifique-se de cumprir todas as obrigações legais.

Quais os erros comuns cometidos na gestão de frete?

Ao implementar uma nova solução empresarial, é natural que surjam desafios e possíveis erros. A gestão de frete não é exceção a essa regra. 

Então, vamos conferir os erros mais comuns que podem ocorrer nesse processo?

Falta de Pesquisa sobre Fornecedores e Tipos de Frete

Além de compreender os diferentes tipos de frete, como CIF e FOB, é essencial realizar uma pesquisa criteriosa para selecionar a transportadora ideal para sua empresa. Isso evita problemas futuros e oferece flexibilidade em casos de paralisações ou questões éticas.

Improvisação nos Planejamentos

Ignorar a previsão de vendas do seu negócio é um erro frequente. Uma análise detalhada das vendas anteriores é fundamental para planejar entregas futuras de forma eficaz e evitar custos elevados e atrasos.

Condições de Frota Desatualizadas

A falta de avaliação das condições da frota da transportadora escolhida pode levar a atrasos e acidentes nas entregas. Garantir que a transportadora tenha recursos tecnológicos e uma frota atualizada é essencial para preservar a reputação da sua empresa.

Negligência com a Burocracia

No âmbito do transporte, é crucial estar atento ao contrato de prestação de serviços. Ter conhecimento das multas, quebra de contrato, responsabilidades e taxas de frete é fundamental para manter uma relação saudável entre as partes envolvidas.

Não acompanhar os Resultados

Por fim, é fundamental monitorar os resultados da estratégia de frete implementada. A tecnologia facilita a geração de dados logísticos, permitindo que você acompanhe e aprenda com os erros e acertos do processo, garantindo a melhoria contínua.

5 dicas para otimizar a gestão de frete na sua empresa 

Agora que você já sabe o que é a gestão de frete e como esse gerenciamento impacta nos seus processos logísticos, vamos ver como otimizar, na prática?

A seguir, reunimos 5 boas práticas para você melhorar a gestão de frete na sua organização:

  1. Utilize um Sistema de Gestão de Transporte (TMS)

Implementar um TMS pode ajudar a automatizar processos, otimizar rotas e fornecer visibilidade em tempo real das remessas, resultando em uma gestão mais eficiente do frete.

  1. Considere Opções de Transporte Alternativas

Avalie diferentes modalidades de transporte, como ferroviário, marítimo ou multimodal, para encontrar as opções mais econômicas e sustentáveis para suas remessas.

  1. Negocie Tarifas e Contratos

Mantenha relações sólidas com transportadoras e negocie tarifas competitivas. Afinal, contratos bem elaborados podem garantir preços estáveis e acordos favoráveis.

  1. Utilize Análise de Dados

Colete e analise dados de frete para identificar áreas de melhoria. Isso pode incluir o rastreamento de desempenho de transportadoras, tempos de trânsito e custos de envio.

  1. Priorize a Sustentabilidade

Considere opções mais ecológicas e sustentáveis, como transporte de baixa emissão de carbono e embalagens ecológicas, para reduzir o impacto ambiental e atender às demandas dos consumidores conscientes.

Otimize a gestão de frete com a Sofit!

Como vimos ao longo deste artigo, a gestão de frete desempenha um papel crucial na eficiência logística e no sucesso empresarial. 

Para elevar sua gestão de frete a um novo patamar de eficiência e controle, a Sofit oferece uma solução abrangente de Gestão de Viagens. 

Com recursos que incluem indicadores essenciais, gerenciamento completo de viagens e personalização de informações de viagem, nossa plataforma está pronta para ajudar sua empresa a alcançar novos níveis de excelência na gestão de frete. 

Então, não perca a oportunidade de transformar a logística da sua empresa!

Entre em contato conosco hoje mesmo e descubra como a Sofit pode ser a parceira ideal para otimizar suas operações de frete e impulsionar seu sucesso empresarial.

Endereçamento de estoque: o que é e como fazer?

O endereçamento de estoque é um importante aliado na hora de localizar produtos, trazendo mais organização e controle para o armazenamento.

Além disso, quando bem implementado e combinado com outros sistemas, como o flow rack, contribui de uma forma geral para otimizar todos os seus processos logísticos.

Mas essa não é uma missão tão simples.

Por isso, neste artigo mostramos mais detalhes sobre o endereçamento de estoque, os tipos e como implementar na sua operação. 

Continue lendo!

Índice:

  1. O que é endereçamento de estoque?
  2. Como funciona o endereçamento de estoque?
  3. Por que o endereçamento de estoque é importante?
  4. Tipos de endereçamento de estoque
  5. 3 dicas para fazer o endereçamento de estoque
  6. Impacto do endereçamento de estoque na logistica da empresa

O que é endereçamento de estoque?

Endereçamento de estoque ou endereçamento logístico é um sistema cuja finalidade é localizar produtos no armazém.

Esse sistema funciona da mesma forma que os códigos de endereçamento postais (CEPs), que nos ajudam a encontrar logradouros por meio de um código numérico.

Ou seja, o endereçamento de estoque é o endereço exato de um produto no seu estoque.

Dessa forma, a forma mais comum de compor esse sistema é definir códigos para as áreas, corredores, níveis e vãos.

Assim, tanto a movimentação de mercadorias dentro do galpão de armazenagem como a localização desses produtos se torna mais fácil, podendo ser automatizada.

Como funciona o endereçamento de estoque?

O endereçamento de estoque é como uma “etiqueta” que ajuda a organizar e encontrar os produtos em um armazém ou estoque de forma eficiente. 

Esse sistema funciona assim:

  1. Divisão por Setores: Primeiro, o armazém é dividido em setores, como prateleiras ou áreas designadas para diferentes tipos de produtos. Imagine uma biblioteca dividida em seções, como ficção, não ficção e biografias.
  2. Rótulos ou Números: Cada setor recebe um rótulo ou número. Isso é como dar um nome a cada seção da biblioteca. Por exemplo, “Setor 1” pode ser a seção de produtos eletrônicos, e “Setor 2” pode ser a seção de roupas.
  3. Posições Exatas: Dentro de cada setor, os produtos são colocados em posições específicas. Essas posições também podem receber rótulos ou números. Por exemplo, na seção de produtos eletrônicos (Setor 1), um smartphone pode estar na posição “1-A” e um laptop na posição “1-B”.
  4. Registro: Todas essas informações são registradas em um sistema, como um computador. É como manter um catálogo que lista onde cada item está.

Por que o endereçamento de estoque é importante?

Agora, imagine que um colaborador precisa encontrar um laptop no armazém. 

Ele olha no sistema, vê que os laptops estão no “Setor 1”. Depois vai para o “Setor 1” e procura pela posição “1-B”. 

Isso torna mais rápido e fácil encontrar o que ele está procurando.

Com um endereçamento, as ferramentas estariam organizadas em áreas designadas, e você saberia que os martelos estão na “Prateleira A”. 

Isso economiza tempo e evita confusão.

Tipos de endereçamento de estoque

A seguir, confira os tipos mais comuns de endereçamento de estoque, seus benefícios e diferenças:

Endereçamento de Estoque Fixo

O endereçamento de estoque fixo é como ter lugares permanentes para cada item em seu estoque. É semelhante a designar lugares específicos para seus sapatos em um armário. Cada produto tem um local fixo onde é armazenado, e essa localização não muda a menos que você a altere manualmente. Isso cria consistência e previsibilidade na organização do estoque.

Benefícios do Endereçamento Fixo:

  • Organização: É fácil saber onde cada item está localizado.
  • Precisão: Reduz erros ao encontrar e pegar produtos.
  • Controle: Permite um planejamento mais eficaz do espaço de armazenamento.

Endereçamento de Estoque Dinâmico

O endereçamento de estoque dinâmico é mais flexível. É como organizar suas roupas em um armário sem designar lugares específicos para cada peça. Os produtos podem ser armazenados em locais diferentes no estoque e podem mudar de local conforme a necessidade. Por exemplo, em um centro de distribuição, um produto pode ser colocado em qualquer espaço vazio disponível.

Benefícios do Endereçamento Dinâmico:

  • Flexibilidade: Acomoda mudanças frequentes no estoque.
  • Eficiência Espacial: Maximiza o uso do espaço de armazenamento disponível.
  • Adaptação: Funciona bem para empresas com estoques em constante movimento.

Diferenças entre o endereçamento fixo e dinâmico

A principal diferença entre os dois tipos é a flexibilidade. 

O endereçamento fixo oferece mais controle e organização, enquanto o endereçamento dinâmico é mais adaptável a mudanças frequentes no estoque. 

A escolha entre eles depende das necessidades específicas de sua empresa e da natureza de seu estoque. 

Dessa forma, alguns negócios podem até usar uma combinação dos dois, reservando endereços fixos para itens de alta demanda e permitindo que outros produtos ocupem locais dinâmicos conforme necessário.

3 dicas para fazer o endereçamento de estoque

O endereçamento de estoque é uma parte crucial da gestão eficaz de estoque e supply chain.

Assim, um sistema bem projetado economiza tempo, reduz erros e melhora a eficiência das operações de armazenamento. 

Portanto, dedique um tempo para planejar e implementar um sistema de endereçamento eficaz desde o início. 

Para isso, confira 3 recomendações para implementar um endereçamento de estoque do zero:

Classificação Lógica de Produtos

Antes de criar endereços físicos para o estoque, é fundamental classificar seus produtos de forma lógica. Isso envolve agrupar itens semelhantes juntos. Por exemplo, se você possui uma loja de eletrônicos, pode agrupar smartphones, tablets e acessórios eletrônicos separadamente. Isso facilita a organização e ajuda a minimizar erros.

Layout do Armazém

Planeje o layout físico do armazém considerando o fluxo de trabalho e a eficiência. Logo após, determine onde os produtos serão armazenados e como os corredores serão organizados. Além disso, certifique-se de criar um sistema que permita fácil acesso aos itens mais movimentados. Evite também as obstruções e mantenha corredores espaçosos para permitir uma movimentação segura.

Identificação Clara e Consistente

Use um sistema de identificação claro e consistente para marcar os locais de armazenamento. Isso pode incluir etiquetas com códigos de barras, QR codes, números ou letras. Além disso, verifique se as etiquetas são legíveis e resistentes para que não se desgastem facilmente. Por fim, treine sua equipe para entender e seguir o sistema de identificação.

Impacto do endereçamento de estoque na logistica da empresa

A seguir, confira outros benefícios que mostram o impacto de um endereçamento de estoque eficaz na logística da sua empresa:

Economiza Tempo

Quando você precisa encontrar um produto específico, o endereçamento ajuda a localizá-lo rapidamente. Imagine se você estivesse procurando um eletrônico em uma loja enorme, mas não houvesse rótulos nas prateleiras. Levaria muito tempo para encontrar o que você quer, não é?

Evita Erros

Com um bom endereçamento, as chances de pegar o item errado são menores. É como se cada item tivesse seu próprio endereço, e você não confundiria a casa do seu amigo com a casa do vizinho.

Melhora a Organização

Manter o estoque organizado é essencial para saber o que você tem e quando precisa reabastecer. Se você organiza suas roupas em casa em gavetas etiquetadas (por exemplo, “Camisetas” e “Calças”), é mais fácil saber o que está faltando.

Facilita A Gestão De Inventário

O endereçamento de estoque cria uma estrutura organizacional que simplifica o processo de inventário. Ele torna a contagem de produtos mais rápida, precisa e eficiente, economizando tempo e reduzindo erros. Isso é essencial para manter o controle do seu estoque e garantir que as operações funcionem sem problemas.

Otimização do Espaço de Armazenamento

Um sistema de endereçamento bem projetado permite que as empresas otimizem o espaço de armazenamento. Ao categorizar e organizar produtos em locais específicos, é possível utilizar melhor o espaço disponível no estoque.

Então, viu como o endereçamento de estoque é crucial para a sua operação logística? Conta pra gente como você conduz esse sistema na sua empresa!

5 benefícios do flow rack para a sua operação logística

O Flow Rack é muito mais do que um sistema de armazenamento convencional. Trata-se de uma estratégia inteligente para quem busca otimizar a organização do estoque, operações e impulsionar a produtividade. 

Ao entender o que é Flow Rack, você estará preparado para adotar essa solução e colher os frutos de uma logística mais ágil e eficiente.

Se você está buscando entender melhor o que é Flow Rack e como ele pode beneficiar sua operação, este artigo é para você. 

Vamos explorar em detalhes essa abordagem inovadora e seus principais ganhos.

Continue lendo e saiba mais!

Índice:

  1. O que é Flow Rack?
  2. Como funciona o Flow Rack?
  3. 5 benefícios de usar o Flow Rack na sua operação
  4. Adote o Flow Rack na sua operação hoje!

O que é Flow Rack?

O Flow Rack, também conhecido como rack dinâmico ou estrutura de fluxo, é um sistema de armazenagem projetado para otimizar o fluxo contínuo de materiais e produtos. 

Esse sistema é especialmente adequado para itens que possuem alta rotatividade e demandam acesso rápido e eficiente. 

Dessa forma, o Flow Rack é uma solução que se baseia na filosofia “primeiro a entrar, primeiro a sair”.

Isso significa que os produtos são organizados de maneira a facilitar a retirada sequencial, mantendo uma ordem lógica e automatizada, sendo crucial para a sua cadeia de suprimentos (supply chain).

Como funciona o Flow Rack?

O funcionamento do Flow Rack é intuitivo e eficaz. Ele consiste em planos inclinados nos quais os produtos são posicionados. 

A gravidade faz com que os itens deslizem suavemente ao longo dos planos, direcionando-os para o ponto de retirada. Isso elimina a necessidade de movimentos excessivos por parte dos operadores, reduzindo o tempo necessário para localizar e coletar os produtos desejados. 

Além disso, esse sistema permite uma reposição mais fácil, já que os novos itens são inseridos no lado oposto ao ponto de retirada, garantindo um fluxo contínuo e eficiente.

5 benefícios de usar o Flow Rack na sua operação

Agora que você já sabe o que é flow rack e como esse sistema de armazenagem funciona, vamos entender os benefícios práticos para a sua operação? 

A seguir reunimos os principais benefícios do flow rack. Confira!

1. Otimização da organização de estoque

Manter um estoque organizado é fundamental para agilizar as operações. 

Com o Flow Rack, os produtos são armazenados de maneira ordenada e de fácil acesso, o que reduz o tempo gasto na busca por itens específicos. 

Isso não apenas melhora a eficiência, mas também minimiza erros e perdas associados a uma organização deficiente.

2. Agilidade e eficiência nas operações

A principal vantagem do Flow Rack é a velocidade. 

Com a disposição dos produtos otimizada para retiradas sequenciais, os operadores podem coletar itens de forma mais rápida e sem obstáculos. 

Dessa forma, não há necessidade de procurar e coletar manualmente os componentes, reduzindo o tempo de inatividade e aumentando a taxa de produção.

Isso é especialmente benéfico em ambientes de alta demanda, onde cada segundo conta para cumprir prazos e satisfazer clientes.

3. Redução de danos

Quando os produtos são manipulados com frequência, existe um risco maior de danos. 

O Flow Rack minimiza esse problema, uma vez que os itens são deslizados suavemente e não precisam ser constantemente retirados e reposicionados. 

Isso ajuda a preservar a qualidade dos produtos e a reduzir custos associados a itens danificados.

4. Aumento da produtividade 

A combinação de organização aprimorada, operações ágeis e redução de danos culmina em um aumento significativo na produtividade da sua frota

Ao agilizar o acesso aos itens, reduzindo os tempos de busca e coleta, esse sistema contribui para operações de frota mais eficazes e agiliza o acesso aos itens.

Assim, você maximiza a utilização dos recursos e impulsiona os resultados positivos em toda a sua operação logística.

5. Organização da entrada e saída de mercadorias

Outro benefício significativo ao adotar o Flow Rack na logística é aprimorar a organização tanto na entrada quanto na saída de mercadorias. 

É que a disposição estratégica dos produtos nos planos inclinados facilita o controle e a gestão desses fluxos, resultando em processos mais suaves e eficientes.

Além disso, com esse sistema, itens mais populares podem ser posicionados em locais de fácil acesso, enquanto aqueles com menor demanda podem ser colocados em posições secundárias. 

Isso agiliza o processo de descarregamento e armazenamento, minimizando o tempo necessário para acomodar novos produtos em estoque.

Adote o Flow Rack na sua operação hoje!

Como vimos, otimizar processos de armazenagem é fundamental para manter sua operação logística sob controle.

Fazendo isso, você consegue atender de forma mais estruturada às demandas dos clientes de maneira consistente e confiável.

Nesse sentido, o Flow Rack é um grande aliado, já que agiliza e melhora os processos de logística e armazenagem.

Então, este artigo foi útil para você? Compartilhe essas informações nas redes sociais com quem precisa!

Os 5 pilares da logística para a gestão de frotas

Com a certeza de que vivemos em um mercado extremamente competitivo e dinâmico, as empresas que lidam com frotas devem se inovar constantemente. Para garantir o seu sucesso, elas devem se fundamentar nas melhores técnicas de logística, reduzindo custos, melhorando a qualidade dos seus serviços e elevando seus lucros.

Para alcançar esse objetivo, é imprescindível usar os 5 pilares da logística. Você já sabe quais são? Se sua resposta foi não, este post foi feito sob medida para sua empresa. Venha ver!

Índice:

  1. Planejamento inteligente
  2. Otimização de estoques
  3. Visibilidade
  4. Gestão de frotas
  5. Monitoramento

1. Planejamento inteligente

O primeiro pilar da logística é um planejamento inteligente. Trata-se de um conjunto de ações que se dividem nos seguintes níveis:

Nível estratégico

O planejamento estratégico envolve o desenho da rede logística, isto é, fábricas, centros de distribuição, armazéns, localização de parceiros e fornecedores e planejamento da demanda do cliente. É uma prática que necessita ser revisada periodicamente para que aquele planejamento se adeque às mudanças mercadológicas.

Nível tático

O plano tático define o modo de usar os recursos disponibilizados para aperfeiçoar o atendimento ao consumidor, diminuindo despesas desse serviço.

Do mesmo modo, deve prever mudanças na demanda do consumidor e fornecimento ou capacidade da rede para atendê-lo. Nesse nível de planejamento, almeja-se responder melhor a essas variáveis.

Nível operacional

No nível operacional, são produzidos planos de inventário e movimentação de materiais, em função das restrições dos sistemas das frotas. Também são definidas as soluções para resolver problemas de quebra de equipamentos, pedidos cancelados, discrepância de inventário, entre outros.

O planejamento inteligente é fundamental para que outra base da logística seja fortalecida — nesse caso, a otimização de estoques.

SAIBA MAIS: Vagas de emprego no setor de logística.

2. Otimização de estoques

Trata-se do gerenciamento de inventário para equilibrar a procura de itens mantidos no documento e otimizar os custos de fornecimento.

As abordagens da otimização de estoques estão focadas na fixação dos limites sobre o número de unidades de um determinado insumo e no acompanhamento de toda a sua movimentação, para que ele chegue dentro do prazo estipulado.

Esses limites se baseiam em um volume mínimo e um volume máximo para cada item, buscando que o estoque esteja sempre suprido com a quantidade ideal de mercadorias conforme a demanda de cada uma delas. O ponto de pedido é um conceito que precisa ser familiar ao gestor: significa a quantidade de itens no estoque que, sendo atingida, exige que sejam realizadas novas compras, tendo como referência o consumo médio mensal, o tempo de reposição e o estoque de segurança (destinado ao abastecimento em casos especiais).

Para calcular o ponto de pedido, pode-se usar a fórmula:

PP = (CM x TR) + ES

  • PP equivale ao ponto de pedido;
  • CM equivale ao consumo médio;
  • TR é o tempo de reposição, que é o prazo de entrega do fornecedor após a efetivação do pedido;
  • ES é o estoque de segurança.

Outro conceito que vale ser conhecido é o de just in time, ou seja, o produto só deve ser solicitado para o estoque no momento mais exato possível, o que torna ainda mais valioso o cálculo do PP. O just in time é um dos pilares da produção enxuta.

3. Visibilidade

Para evitar transtornos com os materiais do estoque, é necessário que sua frota tenha uma excelente visibilidade. Não se trata de propaganda ou qualquer técnica publicitária: ela envolve um conhecimento aprofundado sobre o cliente e a rastreabilidade do inventário e de todo o material em movimento.

O intuito de tornar sua frota mais visível é que você tenha a relação entre oferta e demanda balanceada, para reduzir despesas e otimizar a qualidade dos serviços prestados pela sua companhia.  As ferramentas para uma maior e melhor visibilidade são:

  • Rastreabilidade dentro da organização usando sistemas de monitoramento;
  • Rastreabilidade com os parceiros da cadeia de suprimento, recebendo mensagens via web, EDI e ou XML;
  • Implantação de centros de integração para melhorar a visibilidade em sistemas diferentes em múltiplos parceiros;
  • Detecção de exceções e alertas para indicar quando a situação de uma entrega do sistema se desvie dos indicadores e fluxogramas estabelecidos no planejamento.

Para ter melhor e maior visibilidade, é preciso também ter uma boa gestão de frotas.

4. Gestão de frotas

A gestão de frotas engloba atividades para gerenciar um conjunto de veículos que pertencem a uma mesma empresa. Trata-se de integrar recursos, informações e sistemas. Para isso, é fundamental seguir as seguintes orientações:

  • Automatizar as transações logísticas por comunicação eletrônica, para reduzir tempo, custo e erros humanos;
  • Compartilhar dados de demanda, inventário e cronogramas;
  • Gerar rede de colaboração para responder agilmente às mudanças no ambiente de mercado.

Nesse pilar, o que ajuda a melhorar a administração dos seus veículos é ter como base dados analíticos que facilitam o monitoramento das frotas.

A gestão de custos é um quesito relevante, sendo recomendável o controle de custos por cada viagem efetuada — assim, a identificação dos gastos será mais precisa e definida. Não se pode esquecer que os custos podem ser fixos e variáveis, ou seja, existem custos que são os mesmos para toda viagem, mas há outros que se alteram dependendo da distância, da carga e de outros critérios, incluindo os imprevistos — as surpresas que não estão programadas e sempre acabam exigindo gastos adicionais.

Para tornar sua gestão ainda mais precisa, você poderá dividir os custos por cada viagem em custos relacionados a rota, veículo e motorista. Ao final de tudo, sempre faça a comparação entre os custos de cada viagem realizada.

Outro ponto a considerar é a organização dos documentos do veiculo e do motorista, como a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Controlando a documentação, será possível evitar multas e problemas jurídicos em casos mais graves, como acidentes.

5. Monitoramento

Nesse pilar, o ideal é ter dados analíticos, isto é, medições e indicadores. Eles permitem monitorar em tempo real utilizando scord cards, consultas, painéis ou relatórios. Com essa base, fica mais fácil tomar as decisões para fortalecer cada um desses pilares.

O monitoramento automatizado permite acompanhar, em tempo real, cada passo que o veículo e a carga estão dando na rota planejada. Assim, é possível identificar desvios, paradas não programadas e possíveis eventualidades, como assaltos ou acidentes.

O monitoramento automatizado facilita a comunicação do gestor com o motorista, de modo a ajudá-lo em certas situações, resolvendo conflitos e aplicando planos emergenciais a fim de que o prazo de entrega seja cumprido.

O monitoramento, enfim, permite ao gestor monitorar o veículo, a carga, o motorista, o prazo e a entrega.

Para aplicar uma logística inteligente, é preciso ter qualificação necessária para otimizar os pilares que abordamos. É preciso ter visão de futuro, flexibilidade e dinamismo para responder às exigências mercadológicas que conhecemos muito bem. Do mesmo modo, é imprescindível investir em recursos tecnológicos que facilitam o planejamento inteligente, a gestão de estoques e frotas e o monitoramento.

Viu como a aplicação correta dos pilares da logística é um diferencial para sua empresa? Quer saber mais sobre como melhorar seus serviços? Aproveite o espaço dos comentários e venha debater conosco suas ideias e dúvidas, e fique por dentro das novidades em nosso blog!

Maio Amarelo 2023: veja como a sua empresa pode contribuir

Você sabe o que é o Maio Amarelo? Todos os anos, essa iniciativa global reúne diversas entidades e empresas privadas para promover ações de segurança no trânsito.

Com o tema “No trânsito, escolha a vida”, a campanha já começou em 2023 e gestores de frota podem inscrever os seus projetos no site oficial do evento.

Portanto, confira a seguir mais informações sobre a campanha do Maio Amarelo deste ano e descubra como a sua empresa pode aderir a esta causa!

Índice

  1. O que é o “Maio Amarelo”?
  2. Por que o nome maio amarelo?
  3. Por que é importante aderir ao movimento?
  4. Como gestores de frota podem se engajar com o Maio Amarelo?
  5. Maio Amarelo: A Sofit apoia a causa, trabalhando por mais segurança no trânsito

O que é o “Maio Amarelo”?

Maio Amarelo é um movimento internacional, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), visando promover ações globais de conscientização e prevenção de acidentes no trânsito.

Conforme estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde), acidentes no trânsito são a nona causa mais comum de mortes no mundo.  

Isso representa um custo de pelo menos US$ 518 bilhões por ano em cada país. 

Pensando nisso, a ONU decretou, em 11 de maio de 2011, a Década de Ação para Segurança no Trânsito.  

Assim, no Brasil, o Pnatrans (Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito) é o principal instrumento direcionador das ações, pretendendo preservar a vida de pelo menos 86 mil brasileiros neste período.

Para isso, o plano nacional define algumas metas para serem cumpridas até o ano de 2028. Confira as principais:

  • Reduzir em 50% a taxa de mortalidade no trânsito, por grupo de habitantes (mortes por 100 mil habitantes) e de veículos (mortes por 10 mil veículos). 
  • Redução de pelo menos 50% do número de mortes de ciclistas, motociclistas e pedestres.
  • Aumentar em pelo menos 20% a participação de outros modos de mobilidade ativa (a pé e de bicicleta).

Por que o nome maio amarelo?

Sabia que o nome “Maio Amarelo” foi escolhido por ser uma referência à sinalização de trânsito?

Como você deve saber, no trânsito, o amarelo representa atenção e advertência. 

Por isso, a cor também é associada à vida, à luz e à esperança, valores que estão relacionados à segurança viária. 

A escolha da cor amarela também pretende estimular a reflexão sobre o tema e incentivar a adesão da população à campanha.

Por que é importante aderir ao movimento?

O Brasil não conseguiu cumprir as metas de redução de acidentes no trânsito pactuadas com a ONU em 2022. 

Para você ter uma ideia, 33 mil pessoas ainda são vítimas de acidentes fatais todos os anos no País.

Dessa forma, o “Maio Amarelo” é uma oportunidade importante para sua empresa de frotas contribuir com a redução dos acidentes e também colaborar para reduzir essa taxa pela metade até 2028.

Assim, é importante focar em medidas preventivas, alertando clientes, colaboradores e sociedade sobre atitudes simples, que salvam vidas.

A seguir, vamos listar algumas ações incrivelmente simples que você pode adotar para contribuir com o movimento do Maio Amarelo na sua empresa. 

Como gestores de frota podem se engajar com o Maio Amarelo?

Está em dúvida sobre o que fazer? Listamos 7 ações simples para que a sua empresa contribua com as ações do Maio Amarelo. Vamos lá?

1. Atue nas redes sociais

Tanto sua empresa de frotas quanto os colaboradores podem compartilhar conscientização nas redes sociais através de materiais como banners e outras imagens digitais.

Além disso, vale a pena investir em campanhas online para alcançar clientes e potenciais clientes que vão se identificar com a causa e através dela, conhecer sua empresa.

2.   Invista na gestão de multas

Um trânsito com menos incidência de multas é um trânsito menos perigoso, concorda? 

A gestão de multas, mediante informações sobre os seus veículos, entrada de horário e saída dos motoristas e dos dados dos seus colaboradores, é fundamental. 

Assim, você controla mais facilmente as multas e pode trabalhar ações específicas para cada motorista.

3.   Treinamento e capacitação de motoristas

A rotina de treinamentos e capacitações não devem parar. Dessa forma, aproveite para incluir periodicamente capacitações sobre direção defensiva e ações de conscientização sobre acidentes no trânsito. 

4.   Assistência aos colaboradores

Cuide da integridade dos seus colaboradores, investindo em seguros que lhes garantam toda a assistência em caso de acidentes. Isso vale também para os seguros de carga e de veículos que garantem mais tranquilidade para você e para a sua equipe. 

5. Realize campanhas de conscientização

Você pode distribuir materiais informativos, como panfletos ou cartazes, sobre os principais cuidados que devem ser tomados no trânsito. Assim, temas como “respeitar a sinalização”, “não utilizar o celular enquanto dirige”, são boas opções.

6. Ilumine a fachada da empresa e distribua camisetas

Outra maneira criativa de participar do movimento é iluminar o prédio ou a fachada da empresa com o amarelo durante o mês de maio. 

Isso chamará a atenção das pessoas que passam pelo local e ajudará a divulgar a campanha. 

Além disso, a sua empresa pode distribuir camisas especiais para os colaboradores usarem durante o mês de maio para mostrar seu comprometimento com a segurança no trânsito.

Maio Amarelo: A Sofit apoia a causa, trabalhando por mais segurança no trânsito

Que tipo de ações a sua empresa tem realizado para investir em segurança no trânsito, evitar acidentes e garantir a segurança dos motoristas? 

A Sofit segue engajada com o movimento do Maio Amarelo.  

Junto à sociedade e clientes, estamos contribuindo com a redução de acidentes de trânsito nas estradas brasileiras. 

Saiba como aplicar o Supply Chain Management na sua empresa de frotas

O supply chain management (SCM) é um velho conhecido no setor de logística e distribuição de cargas.

Mas, com a tendência de transformação dos negócios, que têm focado cada vez mais em centros de distribuição, o SCM tomou uma posição mais estratégica.

Isso porque uma boa gestão de supply chain management fortalece os setores logísticos, imprescindíveis para o sucesso de qualquer operação.

Entretanto, é uma rede complexa e que envolve pessoas, tecnologia e as demais atividades relacionadas com o fluxo de produtos na sua operação de transporte.

Então, vamos entender melhor como aplicar o supply chain management na sua empresa de frotas?

Índice:

  1. Antes de tudo: o que é Supply Chain?
  2. E o que é Supply Chain Management?
  3. Qual a diferença de supply chain e supply chain management? 
  4. Qual é o papel da logística dentro do supply chain management?
  5. Como funciona o SCM, na prática?
  6. Que vantagens uma boa gestão da cadeia de suprimentos traz para sua empresa?
  7. Como implementar o supply chain management na sua empresa de frotas?

Antes de tudo: o que é Supply Chain?

Supply chain ou “cadeia de suprimentos” envolve todos os processos pelos quais um produto passa até chegar ao cliente final, desde a fabricação, até a logística e distribuição.

Essa é uma atividade complexa, dividida em diversas subtarefas como a compra de insumos, embalagem, armazenamento, gestão de transportadoras e venda.

Além disso, também faz parte do Supply Chain a gestão da infraestrutura física necessária para dar suporte a essas atividades.

Outras tarefas como o atendimento ao consumidor, desenvolvimento de novos produtos e controle financeiro também podem estar relacionadas com a cadeia de suprimentos.

E o que é Supply Chain Management?

O Supply Chain Management é a gestão de toda a cadeia de suprimentos e compreende todos os esforços para manter os processos mais ágeis e integrados.

Com o advento de novas tecnologias e a necessidade de transformação digital, novas possibilidades foram abertas ao SCM, tornando a gestão desafiadora e cada vez mais complexa.

Apesar de compreender essa gestão como parte estratégica dos negócios, a atividade ainda enfrenta desafios para se modernizar no Brasil.

Para você ter uma ideia, 87% dos gestores afirmaram existir fatores inibidores internos relacionados ao Supply Chain e desenvolvimento logístico, segundo pesquisa do Grupo Descartes Systems.

Apesar disso, 65% planejam aumentar os seus investimentos em tecnologia relacionada ao SCM nos próximos 2 anos.

É que o principal pilar do Supply Chain Management é o cliente final e essa gestão pode ser decisiva para o sucesso ou falência dos negócios.

Dessa forma, os gestores devem compreender tecnologias de ponta a ponta para garantir os elos entre as cadeias e sobretudo, integração entre os processos.

Com isso, é possível compreender a cadeia de suprimentos e observar os gargalos que podem impactar na experiência do cliente.

Portanto, podemos dividir as funções do Supply Chain Management numa organização em 3 pontos principais:

  • Integração das informações da cadeia de suprimentos;
  • Cumprimento dos prazos de entrega dos produtos;
  • Controle dos indicadores de performance.

Qual a diferença de supply chain e supply chain management? 

Enquanto o supply chain foca no transporte e armazenamento das mercadorias, o SCM incorpora todos os processos estratégicos relacionados ao produto, de forma direta ou indireta.

Além disso, podemos resumir as diferenças entre supply chain e supply chain management nos seguintes tópicos:

Supply Chain:

  • Refere-se ao conjunto de atividades e processos envolvidos na produção e distribuição de bens e serviços, desde o fornecedor até o cliente final.
  • Envolve a logística de transporte e planejamento de viagens.
  • Está focado na otimização do fluxo de produtos e serviços.

Supply Chain Management:

  • Refere-se à gestão estratégica e tática de todas as atividades da cadeia de suprimentos.
  • Envolve planejamento, coordenação e controle de todos os processos e recursos envolvidos na cadeia de suprimentos.
  • Visa maximizar o valor entregue aos clientes e minimizar os custos.

Qual é o papel da logística dentro do supply chain management?

A logística desempenha um papel crucial dentro do Supply Chain Management no que diz respeito ao transporte do produto.

Assim, logística e supply chain management estão interligados, formando uma relação de co-dependência.

É que falhas no gerenciamento logístico impactam diretamente na gestão da cadeia de suprimentos.

Isso porque a logística aloca os esforços na otimização da movimentação de um produto e em todos os processos burocráticos.

Ou seja, envolve controle de carga e descarga, rastreio e até a gestão de riscos.

Assim, qualquer problema na logística vai afetar o Supply Chain Management e vice-versa.

Como funciona o SCM, na prática?

Na prática, o SCM abraça diversos departamentos numa organização, desde compras, marketing e finanças.

Dessa forma, o Supply Chain Management deve ser implementado de maneira integrada, conforme as seguintes etapas:

Planejamento

Esta etapa fundamental envolve a definição de objetivos, metas e estratégias para a cadeia de suprimentos. Aqui, são realizadas a previsão de demanda, determinação de níveis de estoque e também a definição de políticas de compras.

Gestão de Fornecedores

Nessa etapa, a empresa identifica, seleciona e estabelece contratos com os fornecedores que melhor atendem às suas necessidades. A ideia é garantir a qualidade e o fornecimento adequado de matéria-prima.

Gestão de Estoques

A gestão de estoques é outra etapa importante do SCM, pois envolve o controle da quantidade e do tipo de materiais em estoque, bem como a gestão de inventários e armazéns.

Gestão da Produção

A gestão da produção envolve o controle dos processos produtivos, o acompanhamento do desempenho e a garantia da qualidade dos produtos.

Gerenciamento Logístico

Nessa etapa, a empresa gerencia a movimentação de materiais e produtos pela cadeia de suprimentos, desde a distribuição dos produtos acabados até a entrega ao cliente final.

Gestão de Vendas

Engloba a gestão dos canais de venda e a definição de políticas de preços, promoções e descontos.

Monitoramento e Avaliação

O monitoramento e a avaliação são as etapas finais do SCM. Elas envolvem o acompanhamento do desempenho da cadeia de suprimentos e a identificação de oportunidades de melhoria.

Que vantagens uma boa gestão da cadeia de suprimentos traz para sua empresa?

Lembre-se de que a implementação do SCM pode levar tempo e esforço, mas os benefícios podem ser significativos para a sua empresa.

A seguir, reunimos outras vantagens que uma boa gestão da cadeia de suprimentos pode proporcionar para o seu negócio:

  • Mais lucro: um SCM eficaz pode ajudar a simplificar os processos, reduzir o desperdício e minimizar os custos em toda a cadeia de suprimentos.
  • Melhorias no atendimento ao cliente: garante que os produtos sejam entregues no prazo e nas condições corretas. Isso pode ajudar a construir a lealdade do cliente e aumentar sua satisfação.
  • Vantagem Competitiva: permite que a sua empresa entregue produtos mais rapidamente, de forma mais confiável e com um custo menor do que seus concorrentes.
  • Facilita a tomada de decisões estratégicas: promove a colaboração e a comunicação entre fornecedores, fabricantes e distribuidores, levando a uma tomada de decisão mais eficaz e a um melhor desempenho geral.
  • Colabora com o gerenciamento de riscos: reduz a probabilidade de interrupções e melhora a capacidade da empresa de responder a eventos inesperados.
  • Sustentabilidade: o SCM pode ajudar as empresas a reduzir seu impacto ambiental otimizando as rotas de transporte, reduzindo o desperdício e selecionando fornecedores que atendam aos critérios de sustentabilidade.

Como implementar o supply chain management na sua empresa de frotas?

Para implementar o supply chain management na sua empresa de frotas, considere seguir as seguintes etapas:

  1. Primeiro, identifique os propósitos do SCM, definindo claramente os objetivos e metas que a sua empresa deseja alcançar com a implementação.
  2. Em seguida, analise a sua cadeia de suprimentos atual para identificar pontos de melhoria e gargalos.
  3. Logo após, com base nos objetivos e na análise da cadeia de suprimentos, defina a estratégia de SCM que a sua empresa irá adotar.
  4. Identifique e implemente ferramentas de gestão, como sistemas de informação, para auxiliar na implementação e monitoramento do SCM.
  5. Feito isso, chegou a hora de desenvolver um plano de ação, com etapas e prazos estabelecidos.
  6. O próximo passo é treinar a sua equipe, fornecendo treinamentos para garantir que todos entendam o novo processo e saibam como executá-lo adequadamente.
  7. Por fim, avalie e monitore os resultados e identifique oportunidades de melhoria e faça os ajustes necessários.

Então, que tal implementar o Supply Chain Management na sua gestão de frotas para otimizar a logística de transporte e reduzir custos operacionais?

Canais de distribuição na logística: um guia básico para gestores de frota

Com a expansão do mercado de e-commerce, é crucial atentar para a importância dos canais de distribuição na logística.

Para você ter uma ideia do otimismo do mercado, estamos entre os 10 países com maior expectativa de crescimento do mundo, segundo pesquisa da Insider Intelligence.

Por isso, podemos dizer que gestores de frota que compreendem e acompanham o caminho que o produto percorre até a entrega estão mais propícios a aproveitar a boa fase do mercado.

Além disso, ao otimizar esses canais, você também pode reduzir custos, evitar erros, melhorar a satisfação do cliente e aumentar a lucratividade.

Assim, neste artigo você confere um guia básico sobre os canais de distribuição na logística. Confira!

Índice:

  1. O que são canais de distribuição na logística?
  2. Os níveis dos canais de distribuição logística
  3. Quais são os tipos de canais de distribuição do setor logístico?
  4. Como gerir os canais de distribuição?

O que são canais de distribuição na logística?

Canais de distribuição na logística dizem respeito aos vários caminhos pelos quais uma mercadoria se move do fabricante para o cliente final. 

Esses canais podem ser diretos, indiretos ou híbridos, sendo essenciais para garantir que os produtos sejam entregues de maneira eficaz:

1. Canal de Distribuição Direto

No canal de distribuição direto, a sua empresa tem autonomia em relação ao transporte e à entrega do produto ao consumidor final.

2. Canal de Distribuição Indireto ou Vertical

Por sua vez, os canais indiretos são aqueles que contam com um intermediário no processo de distribuição, sem contato com o cliente final.

3. Canal de Distribuição Híbrido ou Múltiplo

De forma semelhante, os canais de distribuição na logística híbridos contam com intermediários, mas a sua empresa ainda mantém um relacionamento com o cliente.

Os níveis dos canais de distribuição logística

Existem 4 níveis principais de canais de distribuição logística:

  1. Fabricante: O fabricante é o ponto de partida do canal de distribuição. Eles produzem ou fabricam os produtos que eventualmente chegarão ao consumidor final.
  2. Atacadista: O atacadista é o intermediário entre o fabricante e o varejista. Eles compram produtos a granel do fabricante e depois os vendem aos varejistas ou outros intermediários.
  3. Varejista: O varejista é o intermediário entre o atacadista e o consumidor final. Eles compram produtos do atacadista e depois os vendem diretamente ao consumidor final.
  4. Consumidor Final: O consumidor final é o destino do canal de distribuição. Eles compram o produto do varejista e o utilizam para consumo pessoal.

Apesar disso, dependendo da complexidade da cadeia de abastecimento e da natureza dos produtos que estão sendo distribuídos, é possível haver níveis adicionais no canal de distribuição.

Quais são os tipos de canais de distribuição do setor logístico?

Existem diversas opções de canais de distribuição e a escolha depende de vários fatores, como a natureza do produto, o mercado e custo-benefício. 

Assim, uma estratégia de distribuição eficaz requer o conhecimento dos processos de cada canal e pode ajudar a alcançar o seu público-alvo de forma eficiente e eficaz.

A seguir, confira os principais tipos de canais de distribuição na logística:

1. Venda direta

Este canal de distribuição na logística faz referência à venda de produtos diretamente ao cliente final. O fabricante comercializa os produtos através dos canais de venda, como e-commerces, telemarketing e representantes, por exemplo.

2. Varejo

No varejo, o canal de distribuição pode envolver lojas físicas ou virtuais. Os varejistas compram produtos de fabricantes ou atacadistas e depois os vendem aos clientes finais.

3. Distribuição por atacado

Envolve a venda de produtos a granel para varejistas, que, por sua vez, os vendem aos clientes finais. Os atacadistas atuam como intermediários entre fabricantes e varejistas.

4. Logística terceirizada (3PL)

Neste caso, há a terceirização de serviços de logística para um provedor terceirizado. Assim, os provedores 3PL devem lidar com atividades como armazenamento, transporte e atendimento de pedidos.

5. Comércio eletrônico

Engloba a venda de produtos diretamente aos clientes por meio de plataformas online, como Amazon, Mercado Livre e Shopify.

6. Entrega direta

Consiste na entrega de produtos diretamente aos clientes por meio dos Correios ou outro serviço de entrega.

Qual a importância dos canais de distribuição?

Compreender os canais de distribuição na logística é importante porque ajuda as empresas a identificar oportunidades de otimização da cadeia de suprimentos.

Alguns exemplos podem ser a consolidação de remessas e até a utilização de rotas de transporte mais eficientes.

Além disso, uma compreensão clara dos canais de distribuição permite que você se antecipe diante das mudanças no mercado e ajuste suas estratégias de distribuição, mantendo o seu negócio competitivo.

Portanto, entender a dinâmica e os processos é crucial para garantir que a logística funcione de forma eficiente.

Quais os benefícios de manter os canais de distribuição bem estruturados?

A seguir, confira os benefícios que a sua empresa pode ter quando possui canais de distribuição eficientes:

1. Redução de custos

A vantagem mais significativa é a redução dos custos operacionais. Isso engloba os custos de armazenagem, transporte e logística.

2. Mais cobertura de mercado

Com canais de distribuição eficientes, as empresas podem alcançar novos mercados e clientes, aumentando sua cobertura geográfica e a vazão de seus produtos ou serviços.

3. Clientes mais satisfeitos

Empresas com bons canais de distribuição costumam ter também ótimos serviços de entrega, ajudando a aumentar a satisfação do cliente e a fidelidade à sua marca.

4. Melhoria do relacionamento com clientes e parceiros

Um bom canal de distribuição significa também relacionamentos mais sólidos com seus clientes e parceiros, o que pode levar a parcerias duradouras e colaborativas.

5. Maior competitividade

Um canal de distribuição bem-sucedido pode ajudar as empresas a se destacarem em um mercado altamente competitivo, oferecendo produtos ou serviços de qualidade superior com um processo de entrega mais eficiente e confiável.

Como gerir os canais de distribuição?

Como vimos, a gestão dos canais de distribuição na logística de uma empresa é fundamental para garantir a eficiência e eficácia da cadeia de suprimentos. 

Mas, você deve estar se perguntando: “o que é preciso para gerir efetivamente esses canais, na prática?”

A gestão é uma atribuição que considera alguns fatores-chave, como a escolha dos canais adequados, a avaliação de desempenho dos canais existentes e a criação de relacionamentos sólidos com os parceiros de distribuição.

Assim, você terá que executar as seguintes ações de maneira contínua:

  1. Escolher os canais mais adequados para a sua operação;
  2. Estabelecer metas e avaliar o desempenho dos canais;
  3. Monitorar KPIs de vendas, margens, tempo de entrega e satisfação do cliente;
  4. Investir no relacionamento com os parceiros envolvidos nos canais de distribuição.

Então, viu como entender os canais de distribuição na logística é fundamental para o seu negócio? Agora, compartilhe esse conteúdo e faça essa informação chegar a mais pessoas!

Logística internacional: um guia básico para o gestor de frotas

A logística internacional é um tema que gestores de frota devem compreender se quiserem expandir os seus negócios para além do mercado interno.

É que embora o assunto seja desafiador, atuar no ramo de exportação e importação de cargas pode ser lucrativo, caso você consiga seguir os procedimentos de comércio exterior.

Entretanto, é necessário entender o que é, quais atividades você precisa desenvolver e as principais barreiras que você enfrentará ao lidar com o despacho de cargas internacionais.

Por isso, neste artigo você confere um guia introdutório sobre logística internacional e ainda descobre como a tecnologia pode deixar tudo mais simples. 

Confira!

Índice:

  1. O que é logística internacional?
  2. Qual a importância da logística internacional para empresas?
  3. Quais as atividades da logística internacional?
  4. Principais barreiras enfrentadas pelas empresas que trabalham com comércio exterior
  5. Tecnologias aplicadas à logística internacional

O que é logística internacional?

Logística internacional é o gerenciamento de todos os trâmites legais e procedimentos da cadeia de transporte de mercadorias para o mercado exterior.

Isso envolve várias atividades, como transporte, questões aduaneiras, armazenamento, gerenciamento de estoque e documentação e outras atividades relacionadas à logística 4.0.

O principal objetivo é garantir que as mercadorias sejam transportadas de forma eficiente e eficaz de um país para outro, minimizando os custos e maximizando os lucros. 

Assim, o processo requer um planejamento de viagens, coordenação e execução cuidadosa das operações logísticas, bem como o cumprimento das leis e regulamentos locais e internacionais.

Qual a importância da logística internacional para empresas?

A logística internacional desempenha um papel fundamental ao permitir que as empresas concorram efetivamente no mercado global.

A seguir, confira algumas razões pelas quais esse setor é importante para as empresas:

Otimização da cadeia de suprimentos

Uma logística internacional eficaz te ajuda a otimizar a cadeia de suprimentos e garante que as mercadorias sejam entregues no prazo e em boas condições ao destino.

Redução de custos

Ao simplificar as operações de logística e otimizar a cadeia de suprimentos, as empresas podem reduzir os custos de transporte, minimizar os custos de estoque e melhorar a eficiência, o que pode levar a economias significativas.

Vantagem competitiva

As empresas que possuem sistemas logísticos internacionais eficientes podem obter uma vantagem competitiva ao entregar produtos com mais rapidez, confiabilidade e custo menor do que seus concorrentes.

Expansão de mercado

A logística internacional permite que as empresas expandam suas operações para novos mercados e alcancem clientes em todo o mundo, o que pode contribuir com o aumento da receita e dos lucros.

Quais as atividades da logística internacional?

As atividades da logística internacional envolvem a criação e otimização dos fluxos informativos, materiais e financeiros de toda a cadeia de transporte.

Confira abaixo algumas das principais atividades na prática:

Agenciamento de cargas internacional

Envolve a contratação de transporte e a certificação de que a mercadoria seja entregue ao cliente conforme o combinado. Esta atividade é geralmente executada por um agente contratado pelo dono da mercadoria, que atua como uma espécie de intermediador. 

Gestão e elaboração de documentos

São de responsabilidade do exportador toda a gestão e elaboração de documentos como a fatura comercial e romaneio de carga, além das certificações obrigatórias.

Despacho aduaneiro

Também conhecido no exterior como “customs clearance”, envolve o processo de liberação da carga para seguir o seu curso.

Processos logísticos exclusivos

A logística internacional também engloba atividades que pedem um conhecimento profundo sobre legislação internacional, como o embarque de amostras e admissão e exportação temporária, por exemplo.

Principais barreiras enfrentadas pelas empresas que trabalham com comércio exterior

Nesse mercado, os desafios também são encontrados, como barreiras linguísticas, diferenças culturais e ambientes legais e regulatórios variados. 

Essas são apenas algumas das barreiras e problemas que podem afetar negativamente o comércio exterior:

  • Barreiras Tarifárias e Não Tarifárias: podem aumentar os custos e atrasar os processos de importação e exportação.
  • Dificuldades na Alfândega: as diferenças nos regulamentos aduaneiros entre os países podem causar atrasos e até apreensão de mercadorias.
  • Problemas de Qualidade: a falta de padronização de produtos e embalagens em diferentes países pode levar a problemas de qualidade, insatisfação do cliente e até mesmo a recalls de produtos.
  • Riscos de Segurança: os riscos de segurança, como roubos de carga e ataques cibernéticos, podem causar perdas financeiras e danos à reputação da empresa.
  • Dificuldades Linguísticas e Culturais: podem levar a mal-entendidos e atrasos nas operações logísticas.

Tecnologias aplicadas à logística internacional

Existem várias tecnologias que podem ser aplicadas à logística internacional para melhorar a eficiência, a transparência e a rastreabilidade das operações logísticas. 

Essas ferramentas não somente dão suporte aos procedimentos básicos, como também colaboram com a modernização e otimização dos processos:

Blockchain

Oferece um registro seguro, descentralizado e imutável das transações de transporte.

Business Intelligence

A Business Intelligence (BI) é uma tecnologia importante para a logística internacional porque permite a análise de dados e informações para otimizar processos, reduzir custos e aumentar a eficiência operacional.

Internet das Coisas (IoT)

Permite que as empresas monitorem e controlem remotamente o transporte e o armazenamento de mercadorias, utilizando sensores, dispositivos de rastreamento e outras tecnologias.

Inteligência Artificial (AI) e Machine Learning

Ambos ajudam as empresas a prever a demanda, otimizar a programação de transporte, reduzir custos e melhorar a eficiência geral das operações logísticas.

Sistemas de Gerenciamento de Transporte (TMS)

Permitem que as empresas planejem, executem e monitorem as operações de transporte, desde a programação até a entrega dos produtos.

Sistemas de Gerenciamento de Armazém (WMS)

Ajudam a gerenciar o armazenamento, o controle de estoque e a movimentação de mercadorias dentro do armazém.

Conclusão

Como vimos, a tecnologia aplicada à logística internacional pode simplificar e otimizar o seu processo de importação e exportação de cargas.

Apesar disso, lidar com essas transações comerciais entre um ou mais países, também exige conhecimento técnico e burocrático.

Assim, com essa combinação de experiência no setor e tecnologia de ponta, a sua empresa estará apta para expandir as operações e atingir novos mercados com a logística internacional.

Entenda o que é carsharing e porque investir neste modelo

Impulsionado pelos aplicativos de transporte de passageiros como Uber e 99, o carsharing é uma tendência mundial em crescimento.

Estima-se que 227 milhões de pessoas sejam adeptas ao carsharing em 2023 e existam pelo menos 1,2 milhões de carros disponíveis para a modalidade.

Além de contribuir com a redução da frota de veículos que vai para as ruas, melhorando o trânsito, o carsharing traz novas oportunidades de negócio para as empresas de transporte.

Neste artigo, vamos aprofundar o assunto e mostrar por que você, gestor de frotas, deve acompanhar a evolução do carsharing e investir nessa tendência. 

Confira!

Índice:

  1. O que é carsharing?
  2. Como é o mercado de carsharing no Brasil?
  3. Quais os benefícios do carsharing?
  4. Como a tendência de carsharing impacta frotas corporativas?
  5. Vale a pena investir em Carsharing?

O que é carsharing?

Quando falamos em carsharing estamos nos referindo a um modelo de compartilhamento de carros que se dá através do aluguel. 

O negócio acontece por meio de aplicativos, tal qual o Uber, por exemplo.

O carsharing segue a tendência da economia compartilhada, presente no nosso dia a dia e promovida por empresas como o Airbnb e o Bike Itaú, por exemplo. 

Na prática, existem pelo menos dois modelos principais de compartilhamento de veículos:

1. Roundtrip

Neste sistema, o usuário deve retirar o automóvel em um ponto e então devolvê-lo neste mesmo ponto.

2. One-Way

No sistema de compartilhamento de veículos one-way, o usuário pode retirar o automóvel e devolvê-lo em quaisquer pontos cadastrados.

Além de empresas específicas, os próprios usuários que tiverem veículos ociosos podem disponibilizá-los para quem necessita e receber o valor do aluguel.

Como é o mercado de carsharing no Brasil?

A transformação da mobilidade urbana, aliada à mudança na forma como as novas gerações enxergam a função do automóvel, colaboram com a adesão ao mercado de carsharing no Brasil.

Assim, tanto as startups como empresas tradicionais já experimentam bons resultados com a modalidade.

Entre elas, destacam-se locadoras como a Zazcar, Moobie, Turbi, UseCar, Velo-City, VAMO e JoyCar.

Com a crescente preocupação com o meio ambiente e avanço da tecnologia, proporcionando aplicativos cada vez mais práticos e eficientes, o modelo de economia colaborativa parece que veio para ficar no país.

GESTÃO DE FROTAS PARA LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS: ENTENDA OS DESAFIOS DO SETOR!

Quais os benefícios do carsharing?

Um carro compartilhado significa, em média, menos 13 automóveis no trânsito, segundo estudos da Universidade da Califórnia.

Dessa forma, o compartilhamento de veículos contribui com um dos principais problemas dos grandes centros urbanos: o grande fluxo de veículos no trânsito.

Além disso, o carsharing representa um novo paradigma tanto para os usuários como para empresas que possuem frotas corporativas: a economia compartilhada.

Para os usuários, o compartilhamento de carros ajuda a economizar gasolina, taxas de estacionamento, custos de manutenção, impostos, registro de veículos, seguros e vários outros custos mensais fixos. 

Abaixo, listamos outros benefícios gerais do carsharing:

  • Assegura a redução da emissão de gases poluentes (menos veículos nas ruas, menos poluição);
  • Ao atuar em conjunto com o transporte coletivo, confere suporte para o mesmo;
  • Atua conferindo mais previsibilidade para o dimensionamento de frotas;
  • Diminui a necessidade de espaços de estacionamento nos grandes centros.

Como a tendência de carsharing impacta frotas corporativas?

Gestores de frota lidam diariamente com a redução de custos, impactos causados pela frota corporativa no meio ambiente e em maneiras de reduzir a circulação de carros nas ruas. 

O carsharing já é uma alternativa para empresas de frotas no exterior. 

Custos de manutenção, seguros, depreciação e administração são reduzidos com os sistemas de compartilhamento de veículos.

VEJA TAMBÉM: Como conseguir uma redução de custos com a frota [KIT]

Além disso, gestores podem experimentar o modelo de compartilhamento de veículos tanto da posição de usuário como de fornecedor do serviço.

Por exemplo, um órgão público que recorre ao serviço somente quando um colaborador precisa de automóvel, reduzindo os custos com documentação, manutenção e combustível.

Ou quando fornece a parte da frota ociosa para os aplicativos, participando do capital da mesma.

Finalmente, gestores de frota que atuam no mesmo serviço/fim, não devem enxergar o carsharing como mais um concorrente. 

Para players consolidados no mercado, como a Localiza, o carsharing não chega a ser uma ameaça, mas sim uma oportunidade de revisão, expansão e até de parceria de negócios.

Em média, cada veículo eliminado da frota e trocado por um alugado através de carsharing gera uma economia anual de 15 a 20 mil reais destas despesas. 

Portanto, este é um serviço que você deve considerar.

Vale a pena investir em Carsharing?

Como observamos ao longo deste artigo, gestores de frota devem ficar atentos a essa nova dinâmica do mercado de locomoção. 

A oportunidade de redução de custos é real, assim como a praticidade e até mesmo um incremento na renda mensal das empresas.

Assim como a tecnologia, a economia colaborativa deve se consolidar do setor de frotas corporativas, sendo preciso estar preparado para não perder oportunidades de negócio.

Aproveite para compartilhar este artigo da Sofit nas redes sociais e debater o tema com outros gestores de frota!

Páginas

[2024] – Modelo Materiais – Planilha Cálculo de Frete

Planilha Grátis

Cálculo de Frete

Com a nossa planilha cálculo de frete, você tem controle dos custos, rotas e desempenho, resultando em uma logística mais inteligente.

Por que você precisa fazer o cálculo de frete na gestão de frota?

  • Controle de custos: o cálculo permite uma análise precisa dos custos associados ao transporte de carga, incluindo combustível, manutenção e despesas operacionais.

  • Planejamento de rotas: facilita o desenvolvimento de estratégias de roteamento eficientes, minimizando distâncias percorridas e otimizando o tempo de entrega, o que impacta diretamente nos custos.

  • Decisões estratégicas: o fornecimento de dados precisos, facilita a tomada de decisões estratégicas para aprimorar a gestão de frota e impulsionar a eficiência logística.

Outros Conteúdos sobre Viagens e Logística

Controle de jornada do motorista: tudo o que você precisa saber!

O controle de jornada do motorista é uma das principais responsabilidades do gestor de frotas. ...

Como fazer o planejamento de rotas para sua frota?

Já parou para pensar como um bom planejamento de rotas pode transformar a eficiência e os resultados...

Como preparar sua frota para a Black Friday 2023?

A Black Friday é uma data que sempre promete movimentar os segmentos de logística e transporte. Em...

Gestão de frete: a chave para otimizar a logística

A gestão de frete desempenha um papel essencial na eficiência logística das empresas, influenciando...

Endereçamento de estoque: o que é e como fazer?

O endereçamento de estoque é um importante aliado na hora de localizar produtos, trazendo mais...

5 benefícios do flow rack para a sua operação logística

O Flow Rack é muito mais do que um sistema de armazenamento convencional. Trata-se de uma estratégia...

[2024] – Modelo Materiais – E-book Logística no Transporte: Planejamento de viagens

E-book Grátis

Logística no transporte: planejamento de viagens

As viagens de curta ou de longa distância são a realidade dos gestores de frotas, que têm como objetivo principal otimizar a logística de transportes. Para que isso seja viável, o caminho tem nome: planejamento de viagens.

Em nosso e-book trouxemos as principais dicas para você, que deseja melhorar o planejamento da sua frota.

Por que você precisa fazer o planejamento de viagens e logística?

  • Redução de custos: identifique rotas mais econômicas, minimizando gastos desnecessários com combustível e desgaste do veículo.

  • Estratégias: Defina estratégias para enfrentar desafios como tráfego, condições climáticas e restrições de carga.

  • Sustentabilidade: contribua para a redução da pegada de carbono ao promover rotas mais eficientes e sustentáveis.

O que você vai encontrar
no E-book?

Planejamento de rota

Logística e tempo

Cuidados com a manutenção

Monitoramento

Outros Conteúdos sobre Viagens e Logística

Controle de jornada do motorista: tudo o que você precisa saber!

O controle de jornada do motorista é uma das principais responsabilidades do gestor de frotas. ...

Como fazer o planejamento de rotas para sua frota?

Já parou para pensar como um bom planejamento de rotas pode transformar a eficiência e os resultados...

Como preparar sua frota para a Black Friday 2023?

A Black Friday é uma data que sempre promete movimentar os segmentos de logística e transporte. Em...

Gestão de frete: a chave para otimizar a logística

A gestão de frete desempenha um papel essencial na eficiência logística das empresas, influenciando...

Endereçamento de estoque: o que é e como fazer?

O endereçamento de estoque é um importante aliado na hora de localizar produtos, trazendo mais...

5 benefícios do flow rack para a sua operação logística

O Flow Rack é muito mais do que um sistema de armazenamento convencional. Trata-se de uma estratégia...