Para o gerenciamento de frotas, os primeiros meses do ano representam um momento de renovação e estratégia, trazendo consigo alguns desafios, entre eles a mobilização e desmobilização da frota.

Mas como fazer isso da melhor maneira possível?

Primeiramente, gestores precisam avaliar a vida útil dos veículos, identificando a hora certa de iniciar o processo através do controle de quilometragem e depreciação, por exemplo.

No artigo de hoje, a Sofit te ajuda a entender melhor o processo de mobilização e desmobilização da frota. Continue lendo para conferir!

Mobilização e desmobilização da frota: entenda como cada processo funciona

Os processos de mobilização de desmobilização da frota têm alguns propósitos em comum, entre eles estão a redução de custos; a otimização do desempenho; e a sustentabilidade.

No geral, esses processos são definidos na sua política de frotas e devem ser seguidos à risca, mas também revisitados para evitar a defasagem e a perda de oportunidades de melhores negócios.

Abaixo, confira as diferenças e particularidades de cada etapa do processo:

A mobilização da frota

A mobilização da frota é o processo de aquisição de novos veículos corporativos para a lista de ativos de uma empresa de transporte.

Note que o processo de mobilização envolve não só a compra, mas a adequação dos veículos ao padrão da empresa. 

Isso que pode envolver a instalação de equipamentos necessários para a plena execução das atividades rotineiras, como também a padronização e adesivação, em alguns casos.

A mobilização, geralmente tem início após uma demanda:

  • Novo contrato;
  • Aditivo de Frota;
  • Renovação;
  • Fim de contratos vigentes.

(A Sofit oferece serviço de mobilização de frota de forma gratuita, consulte nosso parceiro Simplificar e saiba como)

A desmobilização da frota

A desmobilização é o destino que a empresa dá para aquele veículo que já cumpriu com o seu papel na operação.

O processo de desmobilização da frota tem a ver com a logística reversa e sustentabilidade.

A periodicidade pode variar, de acordo com a sua área de atuação. 

Geralmente, a desmobilização requer um processo organizado para funcionar. O passo a passo é normalmente seguido de acordo com os seguintes passos: 

  • Primeiro, identificam-se os veículos que precisam sair de circulação;
  • A retirada de circulação é feita, através de um aviso aos colaboradores;
  • Todos os veículos são enviados para um local pré-definido;
  • Reparos são realizados, caso haja necessidade;
  • O destino de cada veículo é definido, de acordo com o seu estado (venda, leilão, repasse, etc.).

(A Sofit oferece serviço de desmobilização de frota de forma gratuita, consulte nosso parceiro Auto Avaliar e saiba como)

A logística reversa e a desmobilização da frota

Na logística reversa, o veículo percorre o caminho contrário ao da logística usual, ou seja, ele volta para o fornecedor.

No caso dos veículos de uma frota, alguns componentes, como pneus, óleos e lubrificantes precisam voltar para os fabricantes.

Isso é definido pela Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Sendo assim, é comum que grandes empresas possuam políticas de logística reversa e compartilhem essa responsabilidade de cuidar do meio ambiente e não descartar itens dos veículos em qualquer lugar.

Qual a periodicidade indicada para a mobilização e desmobilização?

Não existe uma tabela fixa para que o processo de desmobilização seja realizado.

Geralmente, frotas de carros leves e de passeio tendem a depreciar a cada 3 anos, por exemplo.

Embora exista um intervalo recomendado, ele nem sempre é seguido. 

Algumas frotas pesadas e que enfrentam condições adversas na estrada, por exemplo, precisam de um olhar mais apurado para a definição da periodicidade do processo de desmobilização.

Então, atente-se para o seu tipo de frota e considere desmobilizar antes do tempo estimado caso a aquisição ou repasse dos veículos gere algum benefício para a sua frota, como melhoria no desempenho, por exemplo.

É possível terceirizar a mobilização e a desmobilização da frota?

Algumas empresas de transporte recorrem à terceirização para iniciar a mobilização e desmobilização de frota. 

Isso tem sido cada vez mais comum, sabia?

O motivo passa pelos riscos envolvidos, principalmente aqueles ligados à documentação, o que pode acarretar gastos desnecessários para você.

Instituições especializadas em mobilização e desmobilização da frota possuem a expertise e estrutura necessária para evitar fraudes, que são muito comuns, infelizmente.

O gestor fica livre dessa possibilidade e acabam se livrando deste serviço não tão comum no seu dia a dia. 

O recomendado é que, se você optar pela terceirização, delegue os dois processos para a empresa escolhida. Os resultados tendem a ser melhores dessa forma.

Atenção à documentação dos veículos!

Como falamos, a conferência e a transferência correta dos documentos dos veículos é um imperativo para que o processo de mobilização de desmobilização da frota ocorra sem prejuízos.

Caso esse detalhe seja negligenciado, é muito comum que empresas de transporte acabem parando na lista da CADIN (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal).

A busca por um canal de vendas de confiança

O final do processo de desmobilização da frota, geralmente é a venda dos veículos.  Para isso, você deve atentar para todo um leque de possibilidades, pois cada centavo é importante.

Logo, verifique canais de venda presenciais, mas também procure por lojistas online e sempre reforce a sua lista de parceiros de negócio, prezando sempre pela agilidade, confiabilidade e custo-benefício.  A ideia central aqui é diminuir os seus custos operacionais.

Algumas dicas para se adiantar e conseguir o melhor canal de vendas para os seus veículos incluem:

  • Consciência dos colaboradores — motoristas precisam ser orientados sobre os cuidados com o veículo de forma rotineira.
  • Rotinas de Manutenção — as suas rotinas de manutenção devem estar em dia para evitar que muito dinheiro se perca no processo de desmobilização.
  • Cultura anti-multas — as infrações de trânsito devem ser combatidas a todo custo e a sua empresa precisa adotar uma política firme nesse sentido.

Conclusão: mobilização e desmobilização da frota vão além de fatores econômicos

Como observamos ao longo deste artigo, o ciclo que vai da mobilização até a desmobilização da frota está ligado à redução de custos e otimização de desempenho.

Porém, mais que isso, os processos fazem parte de uma logística reversa, um ecossistema que envolve fabricantes, empresas de frota e consumidor final. 

Ou seja, quando você pensa em desmobilizar a sua frota, está pensando além do seu negócio: a sua empresa está firmando um papel importante na sociedade.

Gostou deste artigo sobre mobilização e desmobilização da frota?

Então, compartilhe este conteúdo e continue acompanhando o blog da Sofit para mais artigos como este.