Verificar multas é uma tarefa do gestor de frotas

Você já se perguntou quais as competências do gestor de frotas fundamentais para o mundo pós-pandemia? Além das habilidades de liderança, domínio e automação dos processos, o que o mercado espera deste profissional? Como você sabe, o gerenciamento de frotas passou por um período recente de adaptações, em que gestores tiveram que contornar as circunstâncias impostas pela pandemia, recorrendo cada vez mais à tecnologia. Entretanto, por mais que sistemas modernos para gestão de frota sejam práticos de serem usados, sozinhos, eles não garantem uma boa gestão.  Por isso, no artigo de hoje vamos falar mais sobre as responsabilidades desse profissional e quais são as competências do gestor de frotas essenciais para exercer a função com excelência.    Confira!  

Quem é o gestor de frotas?

O gestor de frotas é o responsável por administrar toda a estrutura relacionada à frota da empresa.  Ele é o responsável por toda a gestão dos profissionais e dos fornecedores envolvidos nas operações.  Além disso, analisa, controla e planeja os gastos dos veículos e faz o controle da manutenção e da eficiência da frota.  Ou seja, o gestor de frotas é peça fundamental da operação e também contribui para a melhoria da produtividade e otimização dos custos.  

Quais são as 10 competências essenciais do gestor de frotas? 

1. Organização

A organização é um ponto fundamental na rotina de controle dos processos e gestão de frotas.  Assim, o profissional está o tempo todo em contato com diversos fluxos de trabalho, lidando com manuais e regras, além de ter que acompanhar cada detalhe da operação. Por isso, cabe a ele dimensionar as especificações e o tamanho da frota, também como os tipos de veículos necessários, determinar regras, controlar custos e criar uma rotina de manutenções dos caminhões. Portanto, para que as atividades não fujam do controle, a habilidade de organizar todos os processos, acompanhamentos e informações é indispensável para a função.

 

2. Domínio dos processos

Um bom gestor de frotas deve ter uma visão analítica dos processos que influenciam os resultados da área — mesmo que esses fluxos de trabalho sejam de outro setor.  Isso é necessário para compreender todos os aspectos que podem afetar o alcance dos objetivos e, assim, conseguir tomar decisões mais assertivas.

 

3. Capacidade de planejamento

Outra característica importante é a habilidade de planejar ações em curto, médio e longo prazo.  Para isso, deve-se conhecer o histórico dos resultados, saber analisar e interpretar KPIs e obter informações sobre cada processo da gestão de frotas. A partir disso, consegue-se definir cada passo da equipe, planejar novas estratégias, definir ações de redução de custos e direcionar outras questões importantes — como o controle de manutenções, o planejamento de rota e o gasto com combustível.

 

4. Habilidades de Gestão Remota de Frotas

A gestão remota da operação é uma das mais importantes competências do gestor de frotas na atualidade.  Isso porque é preciso trabalhar de forma antecipada – ou seja – no caso de outro lockdown, a sua empresa não pode parar porque você não está trabalhando in loco. Além disso, a gestão remota também confere maior fluidez nos processos, e tende a otimizar a sua gestão, dado que:  

  • Desestimula o microgerenciamento;
  • Exige uma otimização e padronização da comunicação e;
  • Extrai todas as possibilidades das suas ferramentas de gestão.

  Sobre este último ponto, o gerenciamento remoto de frotas permite que o gestor utilize mais a tecnologia – para acompanhar as ordens de serviço, verificar o histórico de abastecimento, utilizar relatórios e acompanhar a jornada dos motoristas, por exemplo.    

5. Foco em resultados

Também se espera que um bom gestor de frota tenha o foco nos resultados.  O objetivo é sempre otimizar o desempenho da área e, principalmente, oferecer soluções que ajudem a reduzir os custos. Para isso, os gerentes de frota devem se concentrar em KPIs bem definidos e utilizar os dados para analisar e definir novas ações de otimização. Em resumo, é preciso trabalhar para alcançar resultados específicos e garantir a produtividade com foco nesses objetivos.

6. Capacidade de Liderança

Além de todos os aspectos relacionados aos processos, também se espera que o gestor tenha habilidades de liderança, visto que ele coordena o trabalho das equipes e, de certa forma, é responsável pelo resultado dos seus liderados.  Assim, o ideal é construir um bom relacionamento com os colaboradores, conquistando mais eficiência, produtividade e agilidade.  No entanto, o gestor deve lembrar de ser um exemplo para o seu time.  Não basta dar ordens, definir processos e não segui-los.  Também é importante manter um canal de comunicação aberto com os seus colaboradores, estimulando o diálogo e resolvendo as questões elencadas por eles prontamente.  

7. Capacidade de motivar e desenvolver a equipe

Além de construir um bom relacionamento com os colaboradores, o gestor de frota deve se lembrar sempre de manter a equipe motivada. Isso ajuda a garantir um índice mais alto de produtividade, tornando as pessoas mais engajadas com os objetivos propostos. Além disso, o gestor de frotas também deve se preocupar com o desenvolvimento da equipe. Isso  implica oferecer treinamentos, cursos, entre outros recursos que ajudam a tornar os profissionais mais capacitados e com o sentimento de reconhecimento.  

8. Conhecimento de mercado

Além de dominar os processos na empresa, um bom gestor também precisa estar atualizado e conhecer as mudanças e atualizações que acontecem no mercado.  Assim, ele sempre está por dentro de novas tendências, modificações nas leis e outras situações que podem influenciar no trabalho e nos resultados da área. A eficiência da logística depende de um bom trabalho do gestor de frotas. Para isso, além de contar com tecnologias e ferramentas que ajudem a potencializar a execução dos processos, é necessário contar com profissionais qualificados e bem capacitados.  

9. Evitar lacunas na política de frotas

Um bom gestor deve atuar como um guardião da política de frotas. É preciso evitar as chamadas “áreas cinzentas” e tornar a política um documento completo e em constante atualização. Para isso, é preciso investir em transparência e em regras claras. Outra tendência é elaborar a política de forma colaborativa, assim, os seus motoristas e demais colaboradores terão mais chances de assimilar a política da maneira correta. Quando isso acontece, a sua gestão costuma ser facilitada, já que todos estarão trabalhando conforme o documento, o que torna muito mais fácil a implementação de novas estratégias.  

10. Familiaridade com a questão ambiental

Temas como carros elétricos, compensação de carbono, lavagem ecológicafumaça preta e demais ações para reduzir os impactos causados pelas frotas no meio ambiente devem permanecer em pauta nos próximos anos. Dessa forma, a última das competências do gestor de frotas é a familiaridade com as questões e tendências de preservação ambiental. Gestores devem buscar atualização, participar de congressos (mesmo que virtuais) sobre o tema, além de acompanhar o debate em torno da gestão ambiental de frotas como uma ferramenta estratégica. Então, gostou do post de hoje? Quer se aprofundar nessas competências do gestor de frotas? Aproveite e baixe nosso e-book completo sobre as 7 competências essenciais de um gestor de frotas!  

Fale agora mesmo com um especialista!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *